Trens-unidade IC3

Por: Ferreoclube   Dia: 18 de maio de 2018

O IC3 é um TUD- Trem-unidade diesel desenvolvido em 1989 pela ABB Scandia para serviços regionais em linhas não eletrificadas. Como definido pelo nome do modelo, é uma composição de três carros destinada a serviços regionais intermunicipais (InterCity). Ao todo, entre 1989 e 2001 foram construídas 202 composições para as companhias estatais dinamarquesa DSB (96 unidades), Israel Railways Corporation (50 unidades) e a espanhola Renfe (26 unidades).

 

O desenvolvimento desses trens teve início em 1984, frente à necessidade da DSB – Danske Statsbaner de oferecer um novo conceito de serviço intercidades de acordo com seu novo agendamento de operações e horários de 1974 em uma malha viária caracterizada por cidades relativamente próximas e cujas linhas principais ainda não haviam sido totalmente eletrificadas. De acordo com os novos padrões de conforto e operações da Companhia, as composições deveriam ser climatizadas e capazes de utilizar a propulsão a diesel ou elétrica; e posteriormente foi decidido que deveriam ser leves (de preferência construídos em alumínio), consistir em composições do tipo trem-unidade (dispensando o uso de locomotivas), utilizar equipamentos e componentes padronizados visando a redução dos custos de manutenção e ser capazes de operar em formação dupla, tripla, dentre outras especificações técnicas.

 

O primeiro protótipo desenvolvido ficou conhecido como IC5, e consistia em um trem-unidade de cinco carros dos quais quatro seriam para passageiros e o carro central comportaria um quiosque, banheiros e outras instalações. No entanto, esse modelo foi substituído pelo protótipo IC3 devido a diversas complicações técnicas, das quais a principal limitação foi o peso: originalmente concebido para pesar entre 200 e 210 toneladas, o IC5 pesava cerca de 270 toneladas, excedendo em muito os limites, se comparado a uma composição de carros convencionais de mesmo tamanho. Apesar de diversas tentativas de modificar o projeto, a Administração da DSB escolheu o IC3 como o projeto definitivo para sua frota. A tarefa de entregar as composições foi designada ao departamento de engenharia da DSB e às indústrias Scandia, que apesar do pouco conhecimento com trens-unidade, conseguiram produzir a primeira unidade em 1988, e entregá-las às operações em 1991, após a resolução de diversos problemas técnicos desde a instalação dos componentes eletrônicos às portas dos banheiros, que travavam sozinhas sem motivo algum.

 

O funcionamento mecânico desses trens é inovador pela colocação dos motores e demais componentes elétricos na parte de baixo dos carros das extremidades da composição, o que permite o aproveitamento de toda a área dos carros para o salão de passageiros. As composições são equipadas com truques Jacobs, e dois motores de 400HP em cada carro das extremidades, fornecendo uma potência total de 1.600HP. A transmissão utilizada é, curiosamente, a diesel-mecânica, escolhida pelo baixo peso e praticidade em relação aos modelos diesel-elétrico e diesel-hidráulico, o que permite o baixo peso de apenas 97.000 Kg, que certamente seria muito mais alto se utilizados os demais tipos de transmissão. A caixa de câmbio é equipada com diversas relações de marcha e um sistema de rápida troca para garantir uma boa aceleração ao trem, garantindo um bom desempenho em serviços paradores nos quais a distância entre as estações normalmente não permite às composições adquirirem alta velocidade, caso em que a aceleração e frenagem tendem a ser mais importantes do que a velocidade atingida – tanto é que os trens-unidade apenas alcançam a velocidade máxima de 180 Km/h (112mph), mais do que adequada para serviços paradores. Esteticamente, a característica mais notória é o diafragma de borracha na máscara, que permite uma selagem perfeita quando as composições são acopladas em formação dupla, que ainda permite a abertura de um corredor de passagem com a abertura da porta dos trens, sobre a qual são montados os controles das cabines.

 

O relativo sucesso do projeto levou a fabricante a produzir outras duas versões nos anos 1990: A primeira a ser desenvolvida foi o IC2 (1992-1993), que consiste em uma versão de dois carros, sendo o primeiro motorizado com cabine e o segundo reboque com cabine. O modelo possui dois motores capazes de entregar a potência de 840HP, e possui entradas “low-floor” que permitem o fácil acesso para o embarque de passageiros com bicicletas, cadeiras de rodas e necessidades especiais, tendo em vista que seu piso interno a 60cm de altura fica apenas entre 2 a 5cm mais alto que o padrão das plataformas da rede ferroviária dinamarquesa. Outras diferenças mecânicas são o uso de refrigeração a água nos motores, uso de corrente alternada nos sistemas elétricos e a incompatibilidade operacional com seus “parentes” IC3 e IR4, devido a diferenças mecânicas no sistema de transmissão das composições. Para operarem juntos, é necessária a colocação de um módulo de interface, que devido aos altos custos, nunca foi utilizado. Desse curioso modelo foram produzidas treze unidades, sendo dez para a companhia dinamarquesa Lollandsbanen e três destinados à Vestsjællands Lokalbaner, que após a fusão de 2009, passaram à nova empresa Regionstog A/S que, por fim, foi adquirida pela estatal DSB. Posteriormente, foi desenvolvido o modelo IR4, que consiste em um modelo elétrico de 4 carros e compartilha das mesmas características estéticas dos demais. Mecanicamente, sua única diferença é a propulsão elétrica, não possuindo portanto, motores a diesel. Ao todo, foram construídas 44 unidades desse tipo, das quais apenas uma sofreu um acidente em 2011.

 

Na Espanha, a Renfe adquiriu entre 1997 e 2001 vinte e seis unidades IC2, das quais as primeiras dezesseis foram classificadas como Classe 594.0 (numeradas 594.001 a 594.016); oito unidades personalizadas com tecnologia pendular, identificadas como Classe 594.1 (numeradas 594.101 a 594.108); e duas unidades com bitola conversível, identificadas como Classe 594.2 (numeradas 594.201 e 594.202). Construídos pela fabricante espanhola CAF – Construcciones y Auxiliar de Ferrocariles sob licença da ABB Scandia, esses trens foram designados para rotas de médio percurso nas rotas Valladolid – Zamora – Puebla de Sanabria e La Coruña – Ferrol, La Coruña – Lugo – Monforte de Lemos e Madrid – Soria. Em função de diversos problemas técnicos, a Renfe enviou suas unidades 594 para reforma em 2007/2008, na qual foram modificados diversos equipamentos internos, engates e principalmente a máscara das composições, de forma a apresentar maior segurança operacional. Como consequência, esses trens terminaram por ficar com uma aparência mais similar aos demais modelos da CAF do que com os modelos originais dinamarqueses.

 

Assim como na Dinamarca, a Israel Railways Corporation também adquiriu os trens IC3 para desempenhar um papel de primeira importância em seus serviços regionais, tendo em vista que Israel quase não possui linhas férreas eletrificadas. Foram adquiridas dez unidades em 1992 (numeradas 01 a 10), trinta e uma unidades entre 1994 e 1996 (numeradas 11 a 41) e por fim, mais nove unidades usadas da companhia sueca SJ AB (numeradas 41 a 50) que entraram em serviço em 2005. No dia 28 de dezembro de 2010, um incêndio em um IC3 que feriu 121 pessoas e no qual foi necessário que um soldado do exército israelense atirasse nas janelas para permitir aos passageiros sair da composição levou à paralisação de todos os trens dessa frota no dia 30 de dezembro até a causa do acidente ser descoberta. As investigações revelaram problemas mecânicos no cardã próximo ao tanque de combustível, o que foi resolvido em pouco tempo, e logo no começo do ano seguinte os trens voltaram a circular. Em outubro de 2013 a Israel Railway Corporation decidiu pela terceirização da manutenção das composições em um contrato de 1,5 bilhão de Shekels assinado com a Alstom por sete anos a partir de janeiro de 2014, com uma extensão opcional de mais oito anos.

 

Imagens:

 

Trem IC3 em testes na Amtrak sob a marca Flexlines, em 1996, por Craig Walker

 

IC3 adesivado em Haifa em março de 2005, por Golf Bravo

 

Trens-unidade IC3 em Beer Sheva, por Eran Eyal. Foto de março de 2005

 

Trens IC3 em formação quíntupla nas proximidades de Altit, Israel. Fotografia de Matan Z, de 26/11/2005

 

Trem IC3 nas proximidades de Lyngby, em 26 de janeiro de 2006. Foto de Asger Christiansen

 

Trens IC3 em formação dupla nas proximidades de Soeften, em 14 de junho de 2006. Foto de Asger Christiansen

 

Unidade IR4 n2024 nas proximidades de Middelfart em setembro de 2006, por Asger Christiansen

 

Composições IC3 da DSB em Aarhus, Dinamarca. Foto de Asger Christiansen, de 02/11/2006

 

IC3 nas proximidades de Langaa em 26/-3/2007, por Asger Christiansen

 

Trem Unidade Elétrico IR4 n2112 em Copenhagen em 08 de novembro de 2014, por Graham Williams

 

Unidades IC3 em formação dupla na estação central de Lübeck, em agosto de 2017. Foto de Michael Wenzel

 

Interior de um IC3 da DSB

 

Cabine de um trem IC3 da DSB

 

Corredor de acesso entre duas composições IC3

 

Cabine de um IC3 retraída para a abertura do corredor de acesso entre duas unidades em formação dupla

 

Fabricados pela Bombardier para a NMBS/SNCB em 1996, os trens unidade elétricos AM 96 possuem diversas características dos IC3, como as máscaras emborrachadas e consoles retráteis para acoplamento em formação múltipla. Fotografia de 15/04/2004, por Kilroy1313

 

Trem regional de Bruxelas para Luxemburgo formado por duas unidades AM96 em formação dupla. Foto de 27/09/2008, por Kilroy1313

 

Trens AM96 em formação dupla nas proximidades de Hondelange, na Bélgica. Foto de Kilroy1313, de 18 de maio de 2011

 

Composição formada por três unidades AM96 deixando a estação de Antuérpia. Foto de Martin Bennet, de 30 de junho de 2012

 

 

Referências

 

BOMBARDIER. Disponível em <https://www.bombardier.com/en/home.html>.

RAILPICTURES. Disponível em <http://www.railpictures.net>.

UIC. Disponível em <http://www.railway-energy.org/tfee/index.php?ID=220&TECHNOLOGYID=98&SEL=210&EXPANDALL=3>.

Posts Relacionados

Locomotivas RS3

Postado em: 15 de junho de 2018

Continuar Lendo

Locomotivas RS1

Postado em: 1 de junho de 2018

Continuar Lendo

Trens-unidade IC3

Postado em: 18 de maio de 2018

Continuar Lendo

E.F. Central do Brasil

Postado em: 4 de maio de 2018

Continuar Lendo