Locomotivas U5B

Por: Ferreoclube   Dia: 19 de Janeiro de 2018

A U5B é uma locomotiva da família Universal lançada pela General Electric para ferrovias com limitações de gabarito e peso, típicas de países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, em concorrência ao modelo GL8 da Electro Motive Diesel lançado em 1960 que garantia a esta fabricante uma posição crucial nesse tipo de mercado. Equipadas com um par de truques de dois eixos (B-B), possuem adaptabilidade para qualquer bitola entre a Três Pés (0,914m) e Indiana (1,676m) e o peso de “apenas” 50 toneladas, graças ao uso de componentes modestos como o motor Caterpillar D379 V8 4 tempos de apenas 600HP que permite-lhes alcançar a velocidade máxima de 64Km/h e a ausência de freios regenerativos e tomadas de tração múltipla. Fabricadas entre 1961 e 1963, foram vendidas 139 locomotivas para quatro companhias de diferentes países: a brasileira RFFSA (108 unidades); Standard Fruit Company (11 unidades) em Honduras; Empresa de Ferrocariles del Estado (16 unidades) no Chile e a empresa tunisiente Sfaz Gafsa (4 unidades).

 

As vinte locomotivas de bitola larga foram adquiridas em 1961 junto com as SD18 para atender à crescente demanda da Linha do Centro em função do aumento do transporte de minérios e granéis. Entregues entre dezembro de 1961 e janeiro de 1962, foram numeradas 3011 a 3030 em sequência às S1, primeiras manobreiras adquiridas pela Central em 1943. Com esse incremento em seu parque de tração para serviços de manobras, manutenção e subúrbios, a Central erradicou o uso da tração a vapor em suas linhas de bitola Larga, retirando de serviço suas últimas locomotivas a vapor que operavam em Juiz de Fora e no ramal de Lima Duarte. Nas duas primeiras décadas de operações, apenas a unidade 3016 foi baixada (1974), de forma que as dezenove restantes foram renumeradas 3001 a 3019 no Código SIGO em 1983. Posteriormente, foram baixadas as unidades 3019 em 1986, e 3004, 3005, 3010, 3012, 3014 e 3018 em 1989, de forma que a MRS Logística recebeu 12 locomotivas operacionais. Em novembro de 1998 as unidades 3001, 3007 e 3017 foram devolvidas à RFFSA como inservíveis, de forma que em 2017, nove locomotivas encontravam-se operacionais no parque de tração da MRS (unidades 3002, 3003, 3006, 3008, 3009, 3013, 3015 e 3016.

 
As demais 88 locomotivas de bitola métrica foram distribuídas para a E.F. Goyaz (8 unidades); E.F. Noroeste do Brasil (32 unidades); Rede Mineira de Viação (20 unidades) e Rede de Viação Paraná – Santa Catarina (25 unidades). Ao contrário de suas semelhantes de bitola Larga, as U5B de bitola métrica foram transferidas diversas vezes entre as ferrovias da RFFSA, muitas vezes sem registro, originando diversas inconsistências nos arquivos da empresa, em que chegava a ser registrada a mesma máquina em duas ou três superintendências regionais ao mesmo tempo; ou casos como a E.F. Bahia a Minas, cujo número de locomotivas desse modelo é até hoje desconhecido. Quando a Ferrovia Centro Atlântica S.A. assumiu as Superintendências Regionais nº2 , nº7 e nº8 da RFFSA no dia 1º de setembro de 1996, incorporou 19 locomotivas U5B em seu parque de tração (2014 a 2020, 2022 a 2024, 2026 , 2033, 2035 a 2040, 2042), das quais as unidades 2015, 2036 e 2040 foram devolvidas à RFFSA em fevereiro de 1998. Em 1999, a América Latina Logística possuía 12 locomotivas de bitola métrica (2066, 2069, 2072, 2074, 2076, 2079, 2081, 2082, 2083, 2084, 2085 e 2087) alocadas em sua Malha Sul, mas em 2018 havia apenas três unidades preservadas e nenhuma operacional. A Novoeste operou duas U5B, numeradas 2044 e 2061 e nomeadas Cássio A. Villaça e Luiz F. M. Barone, que já estavam fora de serviço quando a Companhia foi incorporada à Brasil Ferrovias, em 2002. Por fim, a Transnordestina Logística S.A. possui 12 locomotivas (2017), numeradas 2001, 2003, 2007, 2008, 2010, 2011, 2012, 2030, 2051, 2075, 2086 e 2088 para suas linhas de bitola métrica, onde operam com outros modelos de baixa potência, como as U8B e G12.

 

Imagens:

 

Locomotiva U5B nº3027 da E.F. Central do Brasil em Volta Redonda. Acervo de José Emílio Buzelin

 

Unidade nº3028 da 8ª Divisão Operacional – Subúrbios do Grande Rio da RFFSA. Acervo de José Emílio Buzelin

 

Locomotiva nº3011 da Divisão Subúrbios do Grande Rio no Horto Florestal, por Flávio Lage

 

Locomotiva U5B nº2020 em Lavras-MG, por Luiz Gonzaga Ribeiro

 

U5B nº3027 no Horto Florestal em agosto de 1986, por Fábio Dardes

 

U5B nº2015-2E alocada na SR2 da RFFSA em Campos Altos – MG. Foto tirada em 17/11/1994 por Flávio Lage

 

Unidade nº2049 da RFFSA baixada em Triagem Paulista, em 31/12/2003. Acervo de Ricardo Frontera

 

Locomotiva nº2061 em Triagem Paulista em 2004. Acervo de Ricardo Frontera

 

Locomotivas U5B nº3003 e 3004 da MRS com um trem de serviço em Juiz de Fora-MG. Foto de 12/08/2004, por Jorge A. Ferreira Jr.

 

Restos mortais da U5B nº2044 da Novoeste em Bauru por volta de 2005, por Gabriel Saito

 

U5B nº2039 da Ferrovia Centro Atlântica nas oficinas de Tubarão, em Vitória-ES. Fotografia de 01/01/2007, por Vinicius Secchin de Melo

 

U5B nº2072 da ALL em Barra do Rio Grande em 20/10/2007, por Alfredo F. Rodrigues

 

Detalhes do truque da U5B nº2072 evidenciando os freios e suspensão da locomotiva, por Alfredo F. Rodrigues

 

Unidade nº2087 da ALL em Rio Negro em 03/04/2008, por Jean C. Kuester

 

Locomotivas U5B nº3008 (à frente) e 80T nº3120 (à esquerda) na Lapa, no dia 03/11/2009, por Thomas Corrêa

 

Locomotiva nº2016 aposentada em Calsete – MG no dia 05/09/2012, por Inilton Lima

 

Restos mortais da 2016-7E em Calsete – MG, por Inilton Lima

 

U5B nº2024 da FCA com a pintura Fase II nas oficinas de Divinópolis em dezembro de 2012, por Nicolas Fagundes

 

Locomotiva nº3016 da MRS Logística realizando manobras no Horto Florestal em 21/05/2013, por Diego Dunga Alves de Oliveira

 

Modelo artesanal em escala HO da U5B nº2087, por Fabricio Sachette Lino

 

Locomotiva nº2087 em escala HO, modelada por Fabricio Sachette Lino

 

Locomotiva U5B em escala HO modelada por Fabricio Sachette Lino

 

Locomotiva U5B na escala HO (ao centro) em comparação com o modelo U5B da Frateschi (acima) e uma GE 25Ton (abaixo), por Fabricio Sachette Lino

 

Locomotiva U5B nº5108 da Fepasa com uma pequena composição de carga em Arauco, no Chile. Foto de 16/09/2014, por Mauro C.

 

U5B chilena pertencente à Fepasa em San Jose de la Mariquina, em 11/05/2012. Foto de Carlos Beseler

 

Locomotivas U5B D-5104 (à direita) e SW1200 D-1301 (à esquerda) em Santiago. Foto de Rafael León

 

Locomotiva D-5108 em Requinoa, em 11/12/2004, por Pablo Valdivia

 

 

Fontes: Almanaque da RFFSA (http://almanaquedarffsa.blogspot.com.br); A Era Diesel na EFCB – Eduardo J.J. Coelho/João Bosco Setti; Blog Sobre os Trilhos (http://blogsobreostrilhos.blogspot.com.br); Centro – Oeste (http://vfco.brazilia.jor.br); Ferreoclube (http://www.ferreoclube.com.br); Ferrovia Centro – Atlântica: Uma ferrovia e suas raízes – José Emílio de Castro H. Buzelin/João Bosco Setti; Railpictures (http://www.railpictures.net); Viagem pelos Trilhos da Centro – Oeste (http://viagemnostrilhos.blogspot.com.br).

Posts Relacionados

Assalto ao Trem Pagador

Postado em: 20 de Abril de 2018

Continuar Lendo

Locomotivas Lobas

Postado em: 6 de Abril de 2018

Continuar Lendo

Linha Circular da EFCB

Postado em: 23 de Março de 2018

Continuar Lendo

Ferrovias Potiguares

Postado em: 23 de Fevereiro de 2018

Continuar Lendo
%d blogueiros gostam disto: