CSX Transportation

Por: Ferreoclube   Dia: 20 de outubro de 2017

A CSX Transportation é uma companhia ferroviária estadunidense fundada em 01/07/1986, por meio da fusão entre a holding Chessie System e a companhia ferroviária Classe I Seabord System Railroad, que por sua vez já era oriunda de várias fusões e incorporações de diversas outras ferrovias, como a Atlantic Coast Line Railroad, Louisville & Nashville Railroad, Monon Railroad e Georgia Railroad. Com mais de US$30 bilhões em ativos, receita de US$11 bilhões (2015) e atuação em vinte e seis estados do leste estadunidense, a CSX Transportation é uma das sete maiores companhias ferroviárias de abrangência nacional, pertencente à categoria Classe I da Association of American Railroads.

 

Seu nome tem origem nas iniciais das duas empresas que a formaram, e foi definido após longas discussões nos escritórios sobre a companhia Chessie & Seabord, no qual os advogados da Companhia propuseram as letras CSX, sendo a última letra proposta como símbolo de união (mesmo motivo do X do Grupo EBX do empresário brasileiro Eike Baptista, que reunia diversas atividades empresariais). Posteriormente foi adicionada à razão social da empresa a letra T de Transportation em função de a terminação X na identificação do material rodante norte – americano ser utilizada para vagões arrendados ou de proprietários particulares; e seu slogan How Tomorrow Moves (Como o Amanhã se Move) foi criado em 2008.

 

Quando criada, a Companhia possuía uma malha de cerca de 31.000 quilômetros de linhas distribuídas a leste do rio Mississipi, com conexões em todos os portos da Costa Leste dos Estados Unidos, Canadá (províncias de Ontario e Quebec) e México (por meio da subsidiária CSX de Mexico). Assim como as demais companhias ferroviárias estadunidenses criadas no período pós – 1971, é dedicada completamente ao transporte de mercadorias, ao passo que os serviços de passageiros passaram a ser mantidos pela estatal Amtrak. No dia 23 de junho de 1997, a CSX e a Norfolk Southern assinaram um acordo com a Surface Transportation Board para dividir e operar os ativos da Conrail (42% para a CSX e 58% para a NS), desfazendo a malha unida através da fusão entre a Pennsyvania Railroad e a New York Central que havia dado origem à Penn Central em 1968. Herdando a maioria das linhas da finada New York Central, a CSX acrescenta à sua malha cerca de 6.100 quilômetros de linhas, principalmente na região industrial mais antiga dos Estados Unidos, conhecida como Rust Belt. No dia 01/07/1999, encerram-se as atividades da Conrail e estabelece-se o duopólio das duas companhias ferroviárias Classe I na região Leste dos Estados Unidos, com a CSX e sua concorrente Norfolk Southern.

 

Com uma frota de 4.500 locomotivas e 84.000 vagões (2015), a Companhia atende à região mais populosa dos Estados Unidos (cerca de dois terços da população do País reside a Leste do Mississipi), onde encontra-se grande parte da indústria pesada e parte dos cinturões de milho (corn belt) e algodão (cotton belt). Com 68 pátios de manobras e 40 terminais intermodais, a CSX opera diariamente mais de 1.700 composições carregando uma ampla gama de mercadorias que abrange desde minérios e produtos agrícolas a produtos químicos, derivados de petróleo, equipamentos militares, bens de consumo e equipamentos de alto valor agregado. Graças a diversas parcerias com as companhias ferroviárias Canadian Pacific, Canadian National, BNSF e Union Pacific, e a diversas outras empresas de transporte aquaviário e rodoviário, a CSX obtém uma rede logística capaz de atender aos clientes de maneira muito mais ampla do que apenas executando deslocamentos dentro de sua própria malha ferroviária, como por exemplo, despachar mercadorias de clientes nas costas Leste (por meio da própria malha) e Oeste (por meio de transferência da carga para a Union Pacific, por exemplo). Ainda, graças à vantagem de abranger a regiões de relevo relativamente suave e a constantes melhorias na via permanente, seus trens trafegam a velocidades 10% maiores do que as demais empresas do setor ferroviário nos Estados Unidos: ao passo que a média nacional de 2006 foi 45Km/h, a velocidade média das composições da CSX foi de 49,5Km/h, incremento que representa uma vantagem competitiva de cinco a sete horas a menos em percursos de dois a três dias, como o transporte de mercadorias do Nordeste para o Meio – Oeste e do Nordeste para o Sudeste estadunidenses, por exemplo.

 

Em 2014, a Canadian Pacific realizou uma oferta de fusão com a CSX no valor de US$ 20 bilhões, que após diversos diálogos foi recusada, e a companhia canadense voltou seus olhos para a concorrente Norfolk Southern, que recusou a proposta de fusão em 2015. Como a menor de todas as ferrovias Classe I da América do Norte, tanto em abrangência geográfica como em receita, as tentativas da CP de fundir-se com outra companhia Classe I devem-se ao fato de ser um investimento difícil e de longo prazo o incremento da marca e geração de valor para os acionistas dadas as pesadas restrições do setor ferroviário, como o alto capital inicial e longo prazo na construção de linhas de grande porte e relativa demora no desenvolvimento de alianças com novos clientes que, na região leste dos Estados Unidos, já encontram-se majoritariamente servidos pelas duas empresas do duopólio CSX – NS.

 

Imagens:

 

Sede da CSX Transportation em Jacksonville, Florida

 

Logo da empresa com o slogan How Tomorrow Moves

 

Mapa de 2010 das linhas da CSX e sua tonelagem

 

Dupla de locomotivas GP38-2 em uma passagem de nível em Rushville, Indiana. Foto de Greg moss, de setembro de 1994

 

Cargueiros CSXT em Brunswick, Maryland. Foto de 12/06/2005, por Patrick Phelan

 

Autotrem liderado pela SD40-2 nº8888, a locomotiva envolvida no incidente “Crazy Eights” de 2001 no qual foi baseado o filme Incontrolável, de 2010. Nessa fotografia de Matt Rivers tirada em fevereiro de 2006, o trem passa por Riverdale Park, Maryland

 

Pátio Tilford Yard em Atlanta, Georgia, em abril de 2016, por Frank Orona

 

Trem de carvão vazio formado pela locomotiva ES40DC nº5200 e 37 vagões hopper passando por Standing Rock, Alabama. Foto de maio de 2016, por Frank Orona

 

Vagão tanque da CSX com a pintura azul da empresa e seu logo em destaque, por Frank Orona

 

Trem de carga com gêneros agrícolas liderado pela Dash 8-40CW nº7340 na Pensilvânia em junho de 2016, por Brandon Fiume

 

Trens no Dothan Yard, em Dothan, Alabama. Destaque para a fumaça expelida pelo motor da máquina nº8515 durante a partida e o trem de lastro estacionado no ramal ao lado. Foto de 01/01/2017, por Brandon Kirk

 

Autotrem da CSX nas proximidades de Catersville, Georgia. Foto de Steve Hardin, de 05 de janeiro de 2017

 

Locomotiva N&W nº611 ao lado da Dash 8-40CW nº7834 em Ruffin, North Carolina. Foto de Michael Ridenhour, de 06/01/2017

 

Cargueiro trafegando a 80Km/h sob o clima adverso de inverno em Piscataway, New Jersey. Foto de 07/01/2017, por Jason White

 

Em uma tarde fria de inverno, o trem de minério passa ao lado do C&O Railway Heritage Center em Clifton Forge, Virginia. Foto de John Puda, de 08/01/2017

 

Cargueiro Q434 liderado pela locomotiva nº8714 saindo do túnel de Fort Montgomery em meio à neve em New York no inverno de 2017, por Nathan Sloksi

 

Locomotivas SD40-2 com composições de carga no East End Departure Yard em Selsirk, New York. Foto de Gary R. Schermerhorn, tirada em 21/01/2017

 

Composição de contêineres com vagões double deck em Huntington, Massachussets. Foto de Nathan Sloski, tirada em 22/01/2017

 

Locomotivas AC6000CW nº5007 e Dash 8-40CW nº7879 da CSXT com alguns vagõesem Quebec, Canadá. Foto de 22/01/2017, por Michael Berry

 

Locomotiva GP38-2 nº2812 com dois vagões tanque nas proximidades de Port Reading, New Jersey. Foto de Carl Perelman, de 25/01/2017

 

 

Fontes: CSX Transportation (http://www.csx.com); Ferreoclube (http://www.ferreoclube.com.br); Transporte Ferroviário- História e Técnicas – Sílvio dos Santos.

Posts Relacionados

Assalto ao Trem Pagador

Postado em: 20 de Abril de 2018

Continuar Lendo

Linha Circular da EFCB

Postado em: 23 de Março de 2018

Continuar Lendo

Train à Grande Vitesse

Postado em: 9 de Março de 2018

Continuar Lendo

Companhia E.F. Leopoldina

Postado em: 26 de Janeiro de 2018

Continuar Lendo
%d blogueiros gostam disto: