TUE Série 700

Por: Ferreoclube   Dia: 14 de abril de 2017

O Série 700 é um Trem-unidade fabricado pela Mafersa no ano de 1987, sendo considerado o último grande projeto da empresa. Foram adquiridas 25 unidades em um processo tardio de revitalização da rede urbana da CBTU, visando a compra de novo material rodante para suprir a demanda em meio a uma frota composta por trens em péssimas condições operacionais. A compra dos TUEs Série 700 foram apenas uma etapa de um processo que contemplava a compra dos trens da Série 401, 500, 600, 800 e 900 para a renovação do material rodante das linhas de subúrbio em São Paulo e no Rio de Janeiro.

 

Em um total de 180 trens-unidade licitados, já haviam chegado 30 unidades da Série 500. Entre 1978 e 1980 houve também a compra dos Série 600, que logo após a chegada das Séries 700, 800 e 900 na CBTU-RJ, seriam transferidos para a CBTU-SP, onde seriam renumerados para Série 1600. Em 1980 chegaram as primeiras unidades da Série 700 na CBTU-RJ para suprir as falhas da quase extinta Série 100. A Série 700 era especialmente projetada para o sobrecarregado serviço suburbano das duas maiores metrópoles brasileiras. Os trens são rústicos e ágeis, com amplo espaço interno com bancos laterais, janelas grandes e ventiladores potentes. Ao contrário dos TUEs antigos, como os 100 e 200, os Série 700 foram projetados para aguentar com segurança a lotação dos horários de pico. Curiosamente vieram de fábrica com engates BSI, que destoavam dos engates Janney que eram o padrão da época, o que levou a CBTU a trocar os engates das unidades 700 do Rio de Janeiro. Os TUEs Série 700 só chegaram em São Paulo por volta de 1987, numerados como Série 1700, e foram designados para todos os serviços na CBTU-SP. Durante a gestão da empresa, assim como outros trens, muitas unidades 700 foram canibalizadas e baixadas na gestão CBTU e Flumitrens. Pouquíssimas por algum tipo de acidente, a grande maioria pela falta de investimentos na manutenção e peças de reposição.

 

Logo após o início da concessão da SuperVia, a Série 700 foi incluída no Programa Nacional de Transportes(PET), que previa a reforma e reabilitação das unidades baixadas. Reformados pela Alstom, a Série 700 representou um marco na ferrovia carioca: Foram as primeiras unidade reformadas e equipadas com ar-condicionado, além do interior revitalizado. Outras unidades também foram modernizadas, mas sem ar-condicionado, e entregues entre 2000 e 2001, enquanto as unidades 700 restantes, modernizadas em 2002, vieram com ar-condicionado. Os gangways foram mantidos, mas com portas para não atrapalhar o sistema de AC. Na malha paulista, a CPTM apenas modernizou os sistemas de freios e portas, não instalando ar-condicionado ou quaisquer outras modificações para o conforto dos passageiros. Por volta de 2015, havia em São Paulo 11 unidades 1700 operacionais, todas prestando serviços na Linha 7-Rubi, com 8 carros no trecho Luz-Fco. Morato-Jundiaí, e 4 carros no trecho Fco. Morato-Jundiaí. Todas as unidades da extensão da Linha 7(Fco. Morato-Jundiaí) estão previstas para a substituição por trens mais modernos na década de 2010.

 

Imagens: 

 

Montagem dos trens na Mafersa, em 1987. Acervo de William Molina

 

Séries 700 da CBTU (à frente) e 9000 da Fepasa (ao fundo) nas proximidades da Barra Funda, no final da década de 1980. Acervo de Johanes J. Smit

 

Composições Série 700 no pátio da Lapa. Acervo de Diego Silva

 

Milésimo carro construído pela Mafersa, em 1987. Acervo de Diego Silva

 

Unidade 1721 da CPTM na estação Brás em 31/03/2001, por Paulo Sérgio Vieira Filho

 

Trem Série 1700 com a pintura Fase I da CPTM em 05/11/2011, por Derick Roney

 

Trem Série 1700 com a pintura Fase I da CPTM em dezembro de 2011, por William Molina

 

Trens Série 1700 da CPTM com as pinturas Fase I (direita) e Fase II (esquerda), por Vinicius Garcia

 

Cabine de um Série 1700 modernizado da CPTM. Foto institucional

 

ER716 da Supervia, por David Rodrigues

 

Trem ER700 da Supervia adesivado pela Coca Cola. Acervo de Diego Silva

 

ER700 adesivado com propagandas do jornal Meia Hora, nos subúrbios do Rio de Janeiro, por Diego Silva

 

Unidade ER724 modernizada pela TTrans. Acervo de Diego Silva

 

Composição de 4 carros utilizada pela CPTM na extensão da Linha 7 – Rubi (Francisco Morato – Jundiaí), em dezembro de 2013

 

TUE Série 1700 em formação dupla (oito carros) nas proximidades da Lapa, ao lado de um trem de carga da MRS Logística, em abril de 2014

 

Trem – unidade Série 1700 da CPTM na estação Pirituba, em setembro de 2016

 

Cruzamento entre trens da Série 1700 nas proximidades de Jundiaí em novembro de 2016, por Aparecido Marchesim

 

Trens – unidade Série 700, por Aparecido Marchesim

 

Composição 1700 na estação de Jundiaí, em janeiro de 2017

 

 

Fontes: Almanaque da RFFSA (http://almanaquedarffsa.blogspot.com.br); CPTM (http://www.cptm.sp.gov.br); CPTM em Foco (http://cptmemfoco.blogspot.com.br); Ferreoclube (http://www.ferreoclube.com.br).

Posts Relacionados

Estação Santos – Imigrantes

Postado em: 27 de julho de 2018

Continuar Lendo

Automação em Ferreomodelismo

Postado em: 13 de julho de 2018

Continuar Lendo

Locomotivas FA1

Postado em: 29 de junho de 2018

Continuar Lendo

Locomotivas RS3

Postado em: 15 de junho de 2018

Continuar Lendo