E. F. Goyaz

Por: Ferreoclube   Dia: 18 de novembro de 2016

A Estrada de Ferro Goyaz foi uma companhia ferroviária de capital aberto fundada em 1904 por investidores franceses e belgas para explorar a concessão ferroviária de linhas férreas de Araguari-MG a Catalão-GO, e outras cidades importantes do Estado, como Palmas(que pertenceu a Goiás até 1989), Goiânia(construída em 1933) e Cuiabá, no Mato Grosso. A cidade de Catalão deveria ter sido alcançada pela Cia. Mogiana de Estradas de Ferro, a partir de sua linha-tronco que terminava em Araguari, e pela Rede E.F. Oeste de Minas, também a partir de sua linha tronco, que viria de Formiga-MG(cujas obras em 1903 estavam nas proximidades do Rio São Francisco). No entanto, em 1904, sob o argumento de que a execução das obras por parte dessas duas empresas estava demorando demais, o Governo Federal decidiu dar a concessão de 1890 para uma nova companhia, que viria a ser a E.F. Goyaz. A causa mais provável deve ter sido um conflito de interesses entre as oligarquias regionais dos dois estados, visto que Goyaz não participava ativamente da política “Café com leite” vigente na época.

 

As obras foram iniciadas em 1910, no trecho Araguari-Catalão, logo modificado para Araguari-Goiandira. Três anos depois, a linha estava concluída com 11 estações em sua extensão de 90 quilômetros. A companhia atingiu sua máxima extensão em linhas férreas no final dos anos 1930, com cerca de 800 quilômetros de linhas pelos estados de Minas Gerais e interior de Goiás. Possuiu ramais para Anápolis(1935) e Brasília(1968), com cerca de 67Km e 300Km, respectivamente, e uma variante no trecho Araguari-Roncador, construída em 1972, com cerca de 166Km de extensão. Em 1965, a EFG foi incorporada na VFCO- Viação Férrea Centro Oeste, junto com a RMV e a E.F. Bahia a Minas. Integrada em uma imensa rede que se estendia pela Bahia, Minas Gerais e Goiás, a ferrovia foi modernizada e recebeu novo material rodante, dentre o qual destacam-se as locomotivas G12, que mostravam-se adequadas para as linhas restritas da ferrovia. Em 1971 a VFCO foi incorporada à RFFSA como SR-6, e em 1996 foi repassada à FCA- Ferrovia Centro Atlântica. Os trens de passageiros foram suprimidos nos anos 1980, de forma que quando a FCA assumiu a concessão em 1996, só circulavam cargueiros na malha da antiga EFG. Em 2016, a maior parte da linha estava operacional para transporte de cargas, sendo a linha tronco a parte mais movimentada da ferrovia.

 

Imagens:

 

111213669

Trem de passageiros na EFG, anos 1930

 

85088474

Composição de cargas da FCA no interior de Goiás, anos 2000

 

imagem-00

Trem inaugural da EFG em Anápolis, em 1935. Autor desconhecido

 

copia-de-efg

Estação de Araguari, em um cartão postal dos anos 1930

 

copia-efg-de-2

Estação de Goiânia em um postal dos anos 1950

 

Vista aérea de Goiânia no final dos anos 1950, mostrando ao centro a estação e pátio ferroviários da cidade. Foto do IBGE

Vista aérea de Goiânia no final dos anos 1950, mostrando ao centro a estação e pátio ferroviários da cidade. Foto do IBGE

 

copia-de-goyaz

Inauguração da nova estação de Araguari, em 1928(a primeira construção havia sido construída em 1911)

 

araguari9571

Pátio ferroviário da estação de Araguari, em 1957. Autor desconhecido

 

ritinha

Locomotiva nº11 da EFG “Ritinha” em preservação estática em Goiânia-GO

 

61845342

Trem de carga da FCA no interior de Goiás, anos 2000. Foto de Glaucio Henrique Chaves

 

estacao_ferroviaria_de_goiania

Estação ferroviária de Goiânia, em 2015. Foto de Samuel Straioto

 

img0004

Trem de carga da FCA nas proximidades de Catalão-GO, em 2011. Foto de Samuel Straioto

 

Estação de Brasília em obras. Foto da revista RAE, janeiro-março de 1977

Estação de Brasília em obras. Foto da revista RAE, janeiro-março de 1977

 

E.F. Goyaz em Brasília, anos 1980. Via IBGE

E.F. Goyaz em Brasília, anos 1980. Via IBGE

 

Estação Eng. Raul Gonçalves Velha, desativada e utilizada como galpão, em novembro de 2006. Foto de Roberto Fonseca Dias

Estação Eng. Raul Gonçalves Velha, desativada e utilizada como galpão, em novembro de 2006. Foto de Roberto Fonseca Dias

 

Estação Senador Canedo, desativada e utilizada como sede da ONG FORSEC- Fórum Comunitário de Senador Canedo. Foto de Alessander Palacios

Estação Senador Canedo, desativada e utilizada como sede da ONG FORSEC- Fórum Comunitário de Senador Canedo. Foto de Alessander Palacios

 

 

Fontes: Ferreoclube (http://www.ferreoclube.com.br); Museu Ferroviário Paulista (https://www.facebook.com/museuferroviariopaulista/?fref=ts); Estações Ferroviárias (http://www.estacoesferroviarias.com.br); As ferrovias do Brasil nos cartões postais e álbuns de lembranças- Gerodetti & Cornejo.

 

Posts Relacionados

Locomotivas RS3

Postado em: 15 de junho de 2018

Continuar Lendo

Locomotivas RS1

Postado em: 1 de junho de 2018

Continuar Lendo

E.F. Central do Brasil

Postado em: 4 de maio de 2018

Continuar Lendo

Assalto ao Trem Pagador

Postado em: 20 de abril de 2018

Continuar Lendo