Locomotiva G16U

Por: Ferreoclube   Dia: 15 de novembro de 2016

A G16U é uma locomotiva diesel-elétrica fabricada pela EMD entre 1963 e 1967 inspirada no modelo MRS-1 da ALCo e um aprimoramento das bem sucedidas G12, que vinham mostrando-se um sucesso de vendas. O modelo G16 possui potência de 1.950HP, 100.800Kg, atingem a velocidade máxima de 100Km/h, e design e mecânica muito similares às G12, com as opções de rodagem B-B; A-1-A+A-1-A e C-C. As principais modificações realizadas no projeto das G12 foram feitas nos freios dinâmicos, truques e motores adaptados para a bitola métrica, e esteticamente, são notoriamente distintas das G12 pelo corpo mais alongado. Ao todo, foram vendidas XXX unidades, para clientes no Brasil, Egito, Hong Kong, México, Espanha e Iugoslávia.  

 

A primeira aquisição foi realizada pela Egyptian National Railways , que adquiriu 17 unidades de bitola Standard(1,435m) entre 1960-61(numeradas 3301-3316) e outras 44 locomotivas entre 1964-65(numeradas 3317-3361). Dessas, as unidades 3304, 3329 e 3361 foram capturadas pelo Exército de Israel durante a Guerra dos Seis Dias, e como espólio de guerra, renumeradas 161 a 163. Por volta de 2013, as locomotivas 161 e 162 continuavam operacionais na Israeli Railways, enquanto a 163(antiga 3361) encontrava-se preservada no Israeli Railway Museum.   No mesmo ano foram encomendadas 4 unidades para a Kowloon-Canton Railway, em Hong Kong. Numeradas 56 a 59, as três primeiras máquinas foram fabricadas pela EMD nos Estados Unidos em 1961, ao passo que a última(59) foi entregue fabricante australiana Clyde Engineering cinco anos depois. Por volta de 2012, as locomotivas nº56 e nº58 operavam em sua forma original, ao passo que a nº57 havia sido aposentada em 2009 e a nº59 reconstruída após uma colisão e equipada com um novo motor a diesel modelo 16-645E.  

 

Para clientes no México, foram adquiridas 24 máquinas G16 pela NeM- Nacionales de Mexico, para a operação nos diversos ramais secundários da companhia, que careciam de máquinas pequenas e ágeis para as operações. As máquinas vendidas para a NeM possuem freios dinâmicos modificados, e as 13 primeiras unidades(numeradas 7300 a 7312) possuem uma cabine personalizada, ao passo que as demais 11(numeradas 7313 a 7323) possuem a cabine padrão do fabricante. Por volta de 2010 a maioria das máquinas encontrava-se operacional e em boas condições.   A EMD fabricou 15 unidades G16 em bitola Ibérica(1,668m) para a espanhola Renfe, que identificou as máquinas como Classe 1900. Posteriormente(até 1973), foram fabricadas outras 93 unidades pela Macosa, fabricante espanhola à qual a EMD cedeu a licensa do projeto. Essas locomotivas fabricadas na Espanha possuíam diversas alterações em relação ao projeto original, como as cabines duplas, disposição interna dos componentes diferente das G16 originais e aparência estética distinta. Foram aposentadas nos anos 1990 e substituídas por modelos mais modernos e potentes.   A JŽ/ЈЖ- Yugoslav Railways adquiriu algumas locomotivas, identificadas como JŽ Série 661, apelidadas de Kennedi, em alusão ao então presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy. Após a dissolução do Estado da Iugoslávia em 1991, as locomotivas da antiga estatal foram repassadas para as empresas croata Hrvatske željeznice, a sérvia Железнице Србије/Železnice Srbije e a bósnia Željeznice Federacije Bosne i Hercegovine. As locomotivas da Croácia foram aposentadas em 2007(salvo seis unidades modernizadas como 2043 Series), e por volta de 2012 havia três locomotivas operacionais no Kosovo(modernizadas em 2008) e vinte e cinco na Sérvia.  

 

No Brasil, foi a EFVM que se interessou na aquisição dessas novas locomotivas. Com os bons resultados obtidos com as G12 e a necessidade de formar composições de carga mais longas e pesadas, principalmente trens de minério com as novas gôndolas MI para Car Dumper, fazia-se necessária a aquisição de locomotivas de maior potência, frente às composições que mobilizavam sete máquinas G12 para as operações. Foi encomendado pela EFVM que as locomotivas fossem equipadas com motores 16-567 aspirados para obter melhor desempenho.

 

Por volta de 1966 começavam a trafegar em testes os primeiros trens com 5 máquinas G16 e 150 gôndolas, que eram as maiores composições a circular no País na época. Numeradas 601 a 641, as 40 locomotivas foram adquiridas para todo tipo de serviço na extensa ferrovia que ligava Vitória a Belo Horizonte  e diversas pequenas e médias cidades nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo em seus 900 quilômetros de linhas e pátios de manobras. As unidades 612 a 626 são de origem canadense(fabricadas na GMDD) enquanto as demais são estadunidenses. Com a chegada das ML4000 da Krauss Maffei e as DDM45 da EMD, as G16 passaram a ser designadas para serviços de manobra nos pátios e helper na linha tronco. Com o tempo, passaram a realizar serviços gerais na FCA e transporte de passageiros na EFVM, e foram modernizadas com novos motores 645E, para melhor desempenho e confiabilidade, e tanques de combustível de maior capacidade, passando de 3.875 para 4.800 litros. Até 2015 apenas 4 unidades foram baixadas, havendo 36 locomotivas em operações na EFVM.  

 

Imagens:

Locomotiva G16 da E.F. Vitória a Minas clicada por Vinícius Secchin, em Março de 2008

Locomotiva G16 da E.F. Vitória a Minas clicada por Vinícius Secchin, em março de 2008

 

Locomotiva 601 da EFVM clicada por Lucas Campos, em maio de 2016

Locomotiva nº601 da EFVM clicada por Lucas Campos, em maio de 2016

 

Modelo em escala HO de uma G16, por David Santos

Modelo em escala HO de uma G16, por David Santos

 

Locomotiva nº56 da Kowloon-Canton Railway, em Hong Kong, clicada por Shinzhao, em dezembro de 2010

Locomotiva nº56 da Kowloon-Canton Railway, em Hong Kong, clicada por Shinzhao, em dezembro de 2010

 

Locomotiva 003 da Kosovo Railways nas proximidades de Priština. Foto de Kabelleger, em julho de 2009

Locomotiva 003 da Kosovo Railways nas proximidades de Priština. Foto de Kabelleger, em julho de 2009

 

Locomotiva 319.068 da Renfe, em dezembro de 1985. Foto de Fernando Peña

Locomotiva 319.068 da Renfe, em dezembro de 1985. Foto de Fernando Peña

 

Unidade 627 da EFVM com a pintura da Vale tracionando uma composição de minério, no Espírito Santo. Foto de Lucas Campos

Unidade 627 da EFVM com a pintura da Vale tracionando uma composição de minério, no Espírito Santo. Foto de Lucas Campos

 

Locomotiva 661-303 na Bósnia Herzegovina, em outubro de 2015. Foto de Manfred Kopka

Locomotiva 661-303 na Bósnia Herzegovina, em outubro de 2015. Foto de Manfred Kopka

 

Locomotiva nº619 EFVM com as AC44i da VLI em Governador Valadares-MG. Foto de Leandro Barbosa

Locomotiva nº619 EFVM com as AC44i da VLI em Governador Valadares-MG. Foto de Leandro Barbosa

 

 

Fontes: Ferrecoclube(Http://www.ferreoclube.com.br); Railpictures.net(Http://www.railpictures.net); Wikipédia(Https://en.wikipedia.org/wiki/EMD_G16); Vale S.A.(Http://www.vale.com/PT/Paginas/Landing.aspx); Railroad Picture Archives.net(Http://www.rrpicturearchives.net).

Posts Relacionados

Estação Papari

Postado em: 24 de agosto de 2018

Continuar Lendo

Estação Santos – Imigrantes

Postado em: 27 de julho de 2018

Continuar Lendo

Automação em Ferreomodelismo

Postado em: 13 de julho de 2018

Continuar Lendo

Locomotivas FA1

Postado em: 29 de junho de 2018

Continuar Lendo