Código SIGO- identificação do material rodante ferroviário brasileiro

Por: Ferreoclube   Dia: 22 de maio de 2015
O Código SIGO foi criado em pela RFFSA, para a padronização do material rodante ferroviário brasileiro, uma vez que como a RFFSA como a Fepasa foram criadas a partir da unificação de 21 companhias ferroviárias estatizadas entre os governos Vargas(1930-45 /1950-54) a JK(1956-61), possuíam uma frota rodante completamente despadronizada, havendo diversos veículos com a mesma numeração, porém, de empresas distintas.
O Código foi extinto em 2007, com o fim formal da RFFSA, sendo a atual numeração do material rodante de todas as empresas dada pela ANTT após a fabricação. Contudo, muito de seu sistema ainda se mantém, devido à herança de material das empresas atuais.
O sistema funciona com seis dígitos, um dígito verificador dos anteriores e uma letra para informar a localidade.
Identificação de locomotivas:
A identificação das locomotivas brasileiras é formada por sete dígitos e uma letra, correspondendo ao seguinte:
•1º e 2º dígitos: proprietário
•3º a 6º dígitos: bitola
•7º dígito: dígito verificador
•letra: Superintendência Regional de locação
Dígitos de identificação do proprietário(1º e 2º dígitos):
90: RFFSA
91:Fepasa
•Observações: Esses dois primeiros dígitos ainda hoje são utilizados na identificação das locomotivas. Contudo, são sempre omitidos no number-board das mesmas.
Dígitos de bitola(3º a 6º dígitos):
0001-0100: Vapor de bitola 0,76m
0101-0400: Vapor de bitola 1,00m
0401-0500: Vapor de bitola 1,60m
0501-0750: Diesel-elétrica de bitola 1,00m
0751-1000: Diesel-elétrica de bitola 1,60m
2001-3000: Diesel-elétrica GE de bitola 1,00m
3001-4000: Diesel-elétrica GE de bitola 1,60m
4001-5000: Diesel-elétrica EMD de bitola 1,00m
5001-6000: Diesel-elétrica EMD de bitola 1,60m
6001-7000: Diesel-elétrica ALCo de bitola 1,00m
7001-8000: Diesel-elétrica ALCo de bitola 1,60m
8001-9000: Elétrica de bitola 1,00m
9001-9999: Elétrica de bitola 1,60m
•Observações: Algumas locomotivas também possuem no number-board o dígito verificador, como na MRS Logística, ou três dígitos, como na E.F. Vitória a Minas e E.F. Carajás.
Letra- Superintendência:
A: SR-12 São Luís
B: SR-11 Fortaleza
C: SR-1 Recife
D: SR-7 Salvador
E: SR-2 Belo Horizonte
F: SR-3 Juiz de Fora
G: SR-8 Campos
H: STU-RJ(CBTU Rio de Janeiro(
I: SR-4 São Paulo
J: SR-10 Bauru
K: STU-PE(CBTU Recife- Metrorec)
L: SR-5 Curitiba
M: SR-9 Tubarão
N: SR-6 Porto Alegre
O: STU-SP(CBTU São Paulo)
P: Superintendência de Patrimônio- Preservação Preserfe
Q: STU-MG(CBTU Belo Horizonte- Demetrô)
S:STU-RS(CBTU Porto Alegre- Trensurb)
T: -reservado-não alocado
V: E.F. Vitória a Minas- CVRD
W: STU-CE(CBTU Fortaleza)
Y:STU-PE(CBTU Recife- bitola métrica)
Z: Fepasa-Ferrovias Paulistas S.A.
•Observações:
1- Apenas as locomotivas do Metrofor possuem a letra da superintendência no number-board. As demais da ex-divisão Central da RFFSA o possuem apenas no corpo.
2- Após a reforma admistrativa de nossa malha ferroviária entre 1992-1998, as atuais concessionárias assumiram a malha de acordo com as SRs- Superintendências Regionais da extinta RFFSA, como as atuais MRS Logística, ALL, FCA e CFN.
3- As STUs- Superintendências de Trens Urbanos foram repassadas aos governos estaduais, sendo as atuais CPTM(SP), Supervia(RJ), CTS(BA), Metrofor(CE), CTPM(PI) e Trensurb(RS). A CBTU ainda existe como estatal em Belo Horizonte, Maceió e Recife.
Identificação de vagões no Brasil
A identificação dos vagões brasileiros é composta por três letras e sete dígitos, de acordo com o seguinte padrão:
•1ª letra: Tipo do vagão
•2ª letra: Subtipo do vagão
•3ª letra: Peso máximo e bitola
•Seis dígitos para a numeração, identificando a ferrovia pela seguinte sequência:
Proprietário particular: 000001 a 099999
Companhia Vale do Rio Doce(CVRD): 100000 a 299999
Fepasa: 300000 a 599999
RFFSA: 600000 a 999999
 + dígito verificador e letra opcional da Superintendência Regional de locação do vagão (RFFSA).
•Observação: Estas eram as empresas vigentes na época de criação do código.
Agora vamos às letras:
•Primeira letra- Identificação do tipo do vagão
A- Gaiola
C- Caboose
F- Fechado
G- Gôndola
H- Hopper
I- Isotérmico
P- Plataforma
T- Tanque
•Segunda letra: Subtipo do vagão
Vagões Gaiola:
AC: Gaiola com cobertura, estrado e estrutura metálica
AD: Gaiola descoberta
AM: Gaiola com cobertura de madeira
AR: Gaiola para animais de raça
AV: Gaiola para aves
Vagões Caboose:
CB: Caboose com compartimento para bagagens
CC: Caboose convencional
CQ: Outros tipos
Vagões Fechados:
FB: Fechado com portas basculantes
FE: Fechado com escotilhas
FH: Fechado com tremonhas
FL: Fechado com laterais corrediças
FM: Fechado com caixa de madeira/ mista
FP: Fechado com escotilhas e proteção anti-corrosiva
FQ: Fechado- outros tipos
FR: Fechado com caixa metálica com revestimento
FS: Fechado com caixa metálica sem revestimento
FV: Fechado ventilado
Vagões Gôndola:
GB: Gôndola basculante
GC: Gôndola de bordas basculantes/semi-tombantes e cobertura móvel
GD: Gôndola para descarga em virador(car dumper)
GF: Gôndola de bordas fixas e fundo móvel
GH: Gôndola de bordas basculantes/ semi-tombantes
GM: Gôndola de bordas fixas e cobertura móvel
GP: Gôndola de bordas fixas e portas laterais
GQ: Gôndola- outros tipos
GS: Gôndola de semi-bordas tombantes
GT: Gôndola de bordas tombantes
Vagões Hopper:
HA: Hopper aberto
HE: Hopper tanque com proteção anti-corrosiva
HF: Hopper fechado convencional
HP: Hopper fechado com proteção anti-corrosiva
HT: Hopper tanque convencional
HQ: Hopper- outros tipos
Vagões Isotérmicos:
IC: Isotérmico convencional
IF: Isotérmico frigorífico
IQ: Isotérmico- outros tipos
IR: Isotérmico com caixa metálica
Vagões Plataforma:
PA- Plataforma com dois pavimentos para automóveis
PB- Plataforma para bobinas
PC- Plataforma para contêineres
PD- Plataforma convencional com dispositivo para contêieneres
PE- Plataforma convencional com piso metálico
PG- Plataforma para piggy-back
PM- Plataforma convencional com piso de madeira
PP- Plataforma com cabeceira
PR- Plataforma com estrado rebaixado
PT: Plataforma para auto-trem
PQ: Plataforma- outros tipos
Vagões Tanque:
TA: Tanque para acidos e líquidos corrosivos
TC: Tanque convencional
TF: Tanque para fertilizantes
TG: Tanque para GLP(Gás Liquefeito de Petróleo)
TP: Tanque para produtos em pó
TQ: Tanque- outros tipos
TS: Tanque com serpentinas para aquecimento
•Terceira letra: identificação de bitola e peso
A: 1,00m 30 ton.
B: 1,00m 47 ton.
C: 1,00m 64 ton.
D: 1,00m 80 ton.
E: 1,00m 100 ton.
F: 1,00m 120 ton.
G: 1,00m 143 ton.
P: 1,60m 47 ton.
Q: 1,60m 64 ton.
R: 1,60m 80 ton.
S: 1,60m 100 ton.
T: 1,60m 120 ton.
U: 1,60m 143 ton.
•Obs: Caso a tonelagem dos vagões aumente, poderão ser introduzidas novas letras para dar continuidade à sequência.
•Automotrizes e Trens-Unidades
Letras de identificação:
CE: Carro motor TUE – cabine
CH: Carro motor TUDH – cabine
IE: Carro reboque TUE – cabine
IH: Carro reboque TUDH – cabine
MD: Automotriz Diesel-Elétrica
ME: Automotriz Elétrica
MH: Automotriz Diesel-Hidráulica
NE: Carro reboque TUE
NH: Carro reboque TUDH
OE: Carro motor TUE
OH: Carro motor TUDH
•Observações:
TUE: Trem Unidade Elétrico
TUDH: Trem Unidade Diesel Hidráulico
•Prefixo de trens
O prefixo dos trens brasileiros é composto de uma letra e três dígitos, obedecendo ao seguinte padrão:
•Letra: Carga transportada pelo trem
•1º dígito: numeração do trem no dia(1 significa: primeiro trem do dia, 2: segundo trem, assim por diante…)
•2º dígito: dia do mês
•3º dígito: sentido crescente ou decrescente da via, de acordo com o marco zero da mesma.
Significado das letras nos prefixos:
A: Autos de linha
B: Açúcar grande
C: Cimento/ Clinquer/ Coque
D: Derivados de petróleo e álcool
E: Expresso(passageiros)
F: Produtos siderúrgicos
G: Grãos
H: Papel/ Celulose
I: Inspeção gerencial(trem ou auto)
K: Carga geral
L: Locomotiva escoteira
M: Minério de ferro
N: Minérios não ferrosos(gesso, argila, calcário, brita, etc.)
O: Adubos
P: Preferencial
R: Equipamentos de VP(Via Permanente)
S: Socorro
T: Trackage Right(mapeamento)
V: Serviço de lastro
W: Manobras/ subúrbios
X: Produtos Químicos
Y: Contêineres
Observações: Quando o dia do mês possuir mais de dois dígitos, apenas o primeiro dígito é registrado no prefixo.
Ferreoclube ®
João Rodrigues
Mário Lanza
Alexandre Valdes
Andrey Fatore
Lucas Molina

 

Derick Roney

Posts Relacionados

Automação em Ferreomodelismo

Postado em: 13 de julho de 2018

Continuar Lendo

E.F. Madeira-Mamoré

Postado em: 15 de dezembro de 2017

Continuar Lendo

Classificação AAR de locomotivas

Postado em: 15 de setembro de 2017

Continuar Lendo

Traçado Sênior 4 – Frateschi (Antigo)

Postado em: 8 de setembro de 2017

Continuar Lendo