Apresentação ao Ferreomodelismo

Por: Ferreoclube   Dia: 2 de maio de 2015
Tão logo surgiram as ferrovias no auge da Revolução Industrial, no começo do Século XIX, surgiram os seus aficcionados e as tentativas de reproduzí-las em tamanho menor, para entretenimento.O setor do modelismo dedicado ao transporte ferroviário é o Ferreomodelismo, Hobby que conta com milhares de adeptos em todo o mundo.

No Brasil o Ferreomodelismo é pouco conhecido, por diversos motivos, tais como a pequena participação do modal ferroviário na matriz de transportes do País, bem como à sua cultura contemporânea, a falta de acesso a informação sobre o hobby à maior parte da população, bem como a divulgação insuficiente por parte da maioria dos ferreomodelistas e associações.

O envolvimento varia da posse de alguns conjuntos ferroviários ao gasto de horas e dinheiro em reproduções grandes e quase perfeitas de uma ferrovia verdadeira e seu cenário adjacente. Os praticantes do Hobby, chamados Ferreomodelistas(ou Ferromodelistas) mantêm de pequenos digramas que cabem em prateleiras de estante a modelos Live-Steam, grandes o bastante para se andar neles.

A escala utilizada no Brasil é a Escala HO(1:87), utilizada pela maioria dos ferreomodelistas do País e aceita como escala padrão pela Comunidade Oficial do Ferreomodelismo Brasileiro. Também são usadas minoritariamente as escalas OO(1:76), pela semelhança de bitola e tamanho, e as escalas N(1:160), Z(1:220), que ganham crescente popularidade devido a seu tamanho menor, mais viável para os interessados que não possuem espaço suficiente para montar uma maquete em escala HO.

No Ferreomodelismo, os três modos de se montar uma maquete são:

Dioramas, que consistem em apenas um trecho de ferrovia, normalmente aberto, muito frequentemente de dimensões compactas, de modo a ficar em prateleiras.

Maquetes integrais, estruturas mais amplas que abrangem todo um cenário ferroviário detalhado e vias fechadas, que permitem que o modelista ponha seus trens para trafegar dando voltas no trajeto, que normalmente é detalhado com relevo geográfico e diversas estruturas ferroviárias, como montanhas, vales, túneis, pontes, etc.

 

Maquetes modulares, que podem ser ou não circuitos abertos, e são traçados maleáveis, visto que são formadas por diversos módulos. A principal organização responsável pela padronização e divulgação do Ferreomodelismo modular é a free-mo.br, que organiza encontros em todo o Brasil nos quais os membros levam seus módulos para montar traçados de grandes dimensões.Os Ferreomodelistas no Brasil também se dividem em três vertentes, quanto às coleções:

Verde-Amarelos: Dedicados à coleção exclusica de material rodante nacional
Internacionais:  dedicados à coleção de material rodante de companhias ferroviárias do exterior.
Mistos: colecionam modelos tanto nacionais como importados.

O mercado brasileiro é atendido pelas Indústrias Reunidas Frateschi Ltda.; fabricante responsável pelo abastecimento de produtos bons e baratos para a maioria do mercado, pela por importação de produtos de fabricantes externos e por alguns modelos ferroviários e materiais feitos à mão por diversos artesãos de todos os cantos do Brasil, que também trocam as pinturas de diversos modelos importados às cores de companhias nacionais.

Muitas associações de Ferreomodelismo são comumente associadas, ou próximas de associaçõess ferroviárias, tais como a ABPF, e companhias ferroviárias como a MRS e VLI, grandes patrocinadoras dos encontros de ferreomodelismo, realizados frequentemente em diversas cidades com o intuito de preservar a memória ferroviária brasileira e exibir o hobby e a cultura ferroviária à população em todo o País.

O Ferreomodelismo no Brasil é um hobby organizado e padronizado pela SPPF, proprietária da Comunidade Oficial do Ferreomodelismo Brasileiro e dos principais fóruns de discussão do hobby na internet, além de diversos clubes locais, espalhados

Atualmente a Comunidade Oficial do Ferreomodelismo Brasileiro, apesar de todas as dificuldades, vem crescendo cada vez mais, ano após ano, graças à crescente divulgação do hobby a leigos e aumento da participação de todos os ferreomodelistas na Comunidade, gerando maior fluxo de informações, troca de ideias e novas técnicas, métodos e produtos.

Compartilhem essa ideia!!!

Grupo Ferreoclube ®
João Rodrigues
Mário Lanza
Alexandre Valdes
Andrey Fatore
Derick Roney
Lucas Molina

Posts Relacionados

E.F. Madeira-Mamoré

Postado em: 15 de dezembro de 2017

Continuar Lendo

Classificação AAR de locomotivas

Postado em: 15 de setembro de 2017

Continuar Lendo

Traçado Sênior 4 – Frateschi (Antigo)

Postado em: 8 de setembro de 2017

Continuar Lendo

Homem e Máquina

Postado em: 1 de setembro de 2017

Continuar Lendo